Normal view MARC view ISBD view

Avaliação da força isométrica máxima dos músculos extensores dos membros inferiores em adultos e idosos activos :

by Branco, João José Geraldes Santana
Published by : [s. n.], ([Cruz Quebrada] :) Physical details: 194 ps.; 30 cm Subject(s): Adulto | Composição corporal | Envelhecimento | Força | Força muscular | Idoso | Isometria | Membro inferior | Mestrado | Músculo | Saúde pública Year: 2001
    average rating: 0.0 (0 votes)
Item type Location Collection Call number Copy Status Date due
Tese Tese Faculdade de Motricidade Humana
FMH-BIBLIOTECA
Tese M 670 (Browse shelf) 0 Apenas consulta local
Tese Tese Faculdade de Motricidade Humana
FMH-BIBLIOTECA
Tese M 671 (Browse shelf) 0 Available
Tese Tese Reitoria - SDP
SDP-Teses
Dissertações de mestrado ULisboa TM043 FMH ES1 2001 (Browse shelf) 3 Sem empréstimo

Espanha, Maria Margarida Marques Rebelo - Orientador. Mestrado em Exercício e Saúde. Universidade Técnica de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana. 2001

De entre as diversas capacidades motoras, a força muscular é considerada essencial. O seu declínio com o envelhecimento, tem como consequência uma diminuição da capacidade funcional, comprometendo a realização de inúmeras tarefas diárias. A sua insuficiência pode, por outro lado, ser prenúncio de uma condição próxima da incapacidade e da dependência. O objectivo do presente estudo, foi determinar os efeitos da idade na força isométrica máxima (FIM) e taxa máxima de produção de força (TMPF) dos músculos extensores dos membros inferiores, em sujeitos de ambos os sexos (n = 142) dos 50 aos 79 anos e entre sexos da mesma idade, tendo sido utilizado um dinamómetro protótipo. Foram aplicados os testes não paramétricos de Kruskal-Wallis, de Mann-Whitney e de Wilcoxon, e correlações de Spearman. O nível de significância admitido foi de a < 0,05. Nas mulheres, as alterações dos valores de força observados com o envelhecimento foram significativos entre os grupos de idades extremas na TMPF, mas não na FIM. Os resultados do grupo masculino revelaram alterações significativas dos valores de força absoluta com o envelhecimento, que não foram confirmadas nos valores relativos. O valor explicativo da TMPF pela idade e pelo sexo, foi significativo (r2ajustado = 0,451; p < 0,01) e permite perceber que estes factores explicam parcialmente as diferenças de força produzidas. O teste de “Agilidade” mostrou ser inversamente correlacionado com a força isométrica. As mulheres correlacionaram-se apenas com o teste de “Marcha”, e os homens apenas com o teste de “Step”. Ajustar os valores de TMPF ao IMC, à MC ou à MIG parece não ser indiferente, conforme se verificou ao utilizar estes parâmetros de ajustamento da força na comparação de três grupos de idade de mulheres idosas.

Click on an image to view it in the image viewer


© 2012, Universidade de Lisboa
Todos os direitos reservados - All rights reserved
Languages: