Normal view MARC view ISBD view

EEG neurofeedback in active athlete students

by Domingos, Christophe dos Santos
Published by : [s.n.] ([Cruz Quebrada]) Physical details: [159] p. il. 30 cm Subject(s): Atleta | Cérebro | Desempenho | Doutoramento | Electroencefalografia [EEG] | Fisiologia do exercício | Motricidade | Treino físico Year: 2020
Online resources:
    average rating: 0.0 (0 votes)
Item type Location Call number Status Date due
Tese Tese Faculdade de Motricidade Humana
FMH-BIBLIOTECA
Tese D 727 (Browse shelf) Available
CD-ROM CD-ROM Faculdade de Motricidade Humana
FMH-Biblioteca Deposito
Tese D 727 / CD-ROM (Browse shelf) Available
CD-ROM CD-ROM Faculdade de Motricidade Humana
FMH-Biblioteca Deposito
Tese D 728 / CD-ROM (Browse shelf) Apenas consulta local

Loc: Gab. 2

Pereira, José Henrique Fuentes Gomes - Orientador; Rosa, Agostinho da - Coorientador. Doutoramento em Motricidade Humana na especialidade de Fisiologia do Exercício. Universidade de Lisboa. Faculdade de Motricidade Humana. 2020

O treino por neurofeedback é uma técnica recente no desporto e os protocolos para a sua melhoria do desempenho desportivo são geralmente baseados em protocolos existentes em populações não atléticas ou que ainda não têm robustez suficiente para serem protocolos com a validade necessária para uma replicação segura. Com base nessa lacuna existente, vários protocolos que aumentam a amplitude relativa da banda alfa
individual foram propostos para melhorar o desempenho em estudantes tanto ativos como atletas. Além dos protocolos, também foi verificado o comportamento das outras bandas
de frequência durante o aumento do treino da banda alfa individual e verificado se os efeitos persistem após um mês da última sessão de treino. Esta dissertação é composta por quatro estudos em que três desses estudos foram baseados nos melhores protocolos a serem aplicados (o primeiro tentou entender se os efeitos de um protocolo realizado para uma população não atlética seriam iguais quando submetidos a uma população de atletas, o segundo tentou descobrir qual era a melhor frequência de treino semanal para obter os melhores resultados, e o terceiro tentou entender se o local onde a recolha era realizada, condicionava os resultados finais) e foram submetidos a jornais com revisão por pares. O quarto estudo é dividido em dois estudos menores (um que demonstra o comportamento das outras bandas de frequência durante o treino e outro que tenta verificar se os efeitos persistem após um mês). A amostra total foi de 74 sujeitos (60 estudantes tanto ativos como atletas e 14 sedentários). Cada estudo foi conduzido em 30 estudantes tanto ativos como atletas durante 5 a 8 semanas de treino supervisionado por neurofeedback e foi composto por um grupo experimental e um grupo controlo. Exceção para o estudo 1, onde a amostra consistiu em 45 sujeitos (2 grupos experimentais e um grupo controlo) e teve uma duração entre 8 a 10 semanas. Foram 12 sessões de treino que consistiram em 25 min. Verificou-se que os estudantes tanto ativos como atletas apresentaram resultados diferentes dos sedentários quando aplicado o mesmo protocolo (estudo 1), o protocolo mais frequente é aquele que apresenta melhores resultados em comparação a todos os demais protocolos (estudo 2) e que realizar sessões em ambiente com ruído intermitente ou sem ruído não apresenta diferenças em estudantes tanto ativos como atletas (estudo 3).
Adicionalmente, verificou-se que as bandas menos frequentes tendem a aumentar com o treino e o inverso ocorre com as bandas mais frequentes. Também foi concluído que o treino da banda alfa individual e os testes de desempenho mantêm-se após um mês.

Click on an image to view it in the image viewer


© 2012, Universidade de Lisboa
Todos os direitos reservados - All rights reserved
Languages: